BUSQUE O ARTIGO

Moda, Beleza e Comportamento

Tag Archives:
amor

Mais uma vitória da guerreira: o amor romanticamente maduro

Assisti a um casamento que me emocionou pela sensibilidade dos noivos, pela cerimônia e pelo que representa para as mulheres guerreiras que lutaram muito pelo seu espaço e pelo direito de amar e ser amada como elas são.

Ela, uma mulher de meia idade, daquelas que trabalhou arduamente para subir nas hierarquias corporativas e que teve coragem de brigar por postos como de presidência de multinacional. Se hoje nos queixamos com o machismo dissimulado – muitas vezes nem tanto assim – que segrega e menospreza, pense no que mulheres como ela, tiveram que enfrentar. Criticadas muitas vezes pelas gerações seguintes por trazerem traços firmes perante a vida, pelo pragmatismo e objetividade com que tomam decisões, decepcionam àqueles que associam o feminino a um tipo de delicadeza que pode ser confundir com fraqueza. As mulheres que conheço, como minha amiga, podem ser ou não delicadas, mas com certeza são mulheres fortes, da realização. Mulheres que buscam seus objetivos com a coragem de quem também buscam o colo e o aconchego para descansar e se recompor.

Mulheres assim não são fáceis de namorar. Independentes emocional e financeiramente, esperam um companheiro para compartilhar a vida futura, uma vida agradável conquistada e merecida graças a longos anos de lutas e por todas as situações que tiveram que enfrentar nas suas vidas e carreiras. São mulheres que sabem de seu valor. Não se sentem melhores que outras, mas tampouco se contentam com pouco. Afinal, conseguem viver uma vida feliz, alegre e divertida, mesmo que, às vezes, sintam a falta de um grande amor. Viajam, saem para jantar sozinhas ou acompanhadas, têm um bom e divertido grupo de amigas, amigos e casais para preencher seu tempo livre, namoram e paqueram, mesmo sem compromisso. Para elas o lema que as guia em relação à vida afetiva é: melhor só, do que mal acompanhadas.

Os homens da mesma idade delas que não conseguiram se trabalhar interiormente, e assim poder viver os novos tempos de relacionamentos românticos – e devo dizer que, infelizmente, são maioria –, têm dificuldades em aceitar que a mulher deles não estará ao lado só para aplaudi-los, fazer suas vontades, cuidá-los e desfrutar das coisas que somente eles curtem. Esses homens foram criados numa visão de mundo que os coloca no centro da relação e da família. No pensamento deles, a mulher é feliz acompanhando-os nessa viagem que é a vida a dois. Como se estar com eles já fosse motivo suficiente para a felicidade da mulher. Sabemos que ainda estamos criando homens assim, embora o contexto ajude a gerar um certo desconforto em relação à essa crença o que facilita uma nova perspectiva sobre o papel masculino na relação a dois; entretanto, os homens de 50, 60 e mais anos devido a sua criação realmente acreditam que são o centro da relação. Felizes as mulheres que também possuem a mesma crença, porque fazem o par perfeito. Mas para mulheres como minha amiga, essa hipótese está fora de cogitação.

Lembro que conversei bastante com ela quando estava estudando o Projeto Mulheres, em 2010, que apontava o desejo feminino de se voltar para o amor, de baixar um pouco a guarda. De sair da posição de sabe-tudo que tinha se colocado e a distanciava do amor e da vida que sentia falta. Lembro que minha amiga se incomodava como essa imagem de mulher que eu costumava trazer dos estudos, como se essa mulher lhe passasse uma certa imagem de fraqueza, como se ela não pudesse ser feliz sozinha. Mesmo assim, sempre achei que um grande amor preenche a alma de qualquer um. Sete anos depois,  vemos que o amor venceu, sim, mas condizente com a personalidade de minha amiga. Não a vi

Assisti a um casamento que me emocionou pela sensibilidade dos noivos, pela cerimônia e pelo que representa para as mulheres guerreiras que lutaram muito pelo seu espaço e pelo direito de amar e ser amada como elas são.

Ela, uma mulher de meia idade, daquelas que trabalhou arduamente para subir nas hierarquias corporativas e que teve coragem de brigar por postos como de presidência de multinacional. Se hoje nos queixamos com o machismo dissimulado – muitas vezes nem tanto assim – que segrega e menospreza, pense no que mulheres como ela, tiveram que enfrentar. Criticadas muitas vezes pelas gerações seguintes por trazerem traços firmes perante a vida, pelo pragmatismo e objetividade com que tomam decisões, decepcionam àqueles que associam o feminino a um tipo de delicadeza que pode ser confundir com fraqueza. As mulheres que conheço, como minha amiga, podem ser ou não delicadas, mas com certeza são mulheres fortes, da realização. Mulheres que buscam seus objetivos com a coragem de quem também buscam o colo e o aconchego para descansar e se recompor.

Mulheres assim não são fáceis de namorar. Independentes emocional e financeiramente, esperam um companheiro para compartilhar a vida futura, uma vida agradável conquistada e merecida graças a longos anos de lutas e por todas as situações que tiveram que enfrentar nas suas vidas e carreiras. São mulheres que sabem de seu valor. Não se sentem melhores que outras, mas tampouco se contentam com pouco. Afinal, conseguem viver uma vida feliz, alegre e divertida, mesmo que, às vezes, sintam a falta de um grande amor. Viajam, saem para jantar sozinhas ou acompanhadas, têm um bom e divertido grupo de amigas, amigos e casais para preencher seu tempo livre, namoram e paqueram, mesmo sem compromisso. Para elas o lema que as guia em relação à vida afetiva é: melhor só, do que mal acompanhadas.

Os homens da mesma idade delas que não conseguiram se trabalhar interiormente, e assim poder viver os novos tempos de relacionamentos românticos – e devo dizer que, infelizmente, são maioria –, têm dificuldades em aceitar que a mulher deles não estará ao lado só para aplaudi-los, fazer suas vontades, cuidá-los e desfrutar das coisas que somente eles curtem. Esses homens foram criados numa visão de mundo que os coloca no centro da relação e da família. No pensamento deles, a mulher é feliz acompanhando-os nessa viagem que é a vida a dois. Como se estar com eles já fosse motivo suficiente para a felicidade da mulher. Sabemos que ainda estamos criando homens assim, embora o contexto ajude a gerar um certo desconforto em relação à essa crença o que facilita uma nova perspectiva sobre o papel masculino na relação a dois; entretanto, os homens de 50, 60 e mais anos devido a sua criação realmente acreditam que são o centro da relação. Felizes as mulheres que também possuem a mesma crença, porque fazem o par perfeito. Mas para mulheres como minha amiga, essa hipótese está fora de cogitação.

Lembro que conversei bastante com ela quando estava estudando o Projeto Mulheres, em 2010, que apontava o desejo feminino de se voltar para o amor, de baixar um pouco a guarda. De sair da posição de sabe-tudo que tinha se colocado e a distanciava do amor e da vida que sentia falta. Lembro que minha amiga se incomodava como essa imagem de mulher que eu costumava trazer dos estudos, como se essa mulher lhe passasse uma certa imagem de fraqueza, como se ela não pudesse ser feliz sozinha. Mesmo assim, sempre achei que um grande amor preenche a alma de qualquer um. Sete anos depois,  vemos que o amor venceu, sim, mas condizente com a personalidade de minha amiga. Não a vi sendo tomada por nenhum Complexo de Cinderela, que a pesquisadora Colette Dowling tão bem descreveu no seu famoso livro, e ainda hoje vejo tomar conta de muitas mulheres de todas as idades.

Devido ao fato do noivo, e agora marido, ser estrangeiro e morar no seu país natal, durante alguns anos ela viajou constantemente para fora do país para encontrá-lo e se permitir viver esse amor. Agora, decidiu que irá morar fora, longe de casa, dos amigos e família que ela tanto ama e cuida. Decidiu dar chance à relação se instalar de vez na sua vida, integralmente. Madura e vivida, sabe dos riscos e dos ganhos que está assumindo. Tal vez por isso, durante a cerimônia, mesmo tomada pela profunda emoção ao ter recebido, de surpresa, a aliança da avó do noivo, no momento que o juiz fez menção da decisão dela por manter o nome de solteira, com aquele sorriso largo que lhe é característico disse para os convidados que estávamos mais próximos do altar: “mudar o nome, nunca mais”.

É isso ai: a guerreira casa, ama, se entrega e se dedica, mas continua guerreira.

Ps: A foto do texto é da Magui e do Chris no dia do casamento. 

Nany Bilate
Pesquisadora, pensadora e fundadora da Behavior, centro de estudos sobre valores e crenças sociais.
www.behavior.com.br/blog

Relacionamento amoroso feliz é uma conquista sem competição

Celebrei recentemente 11 anos de relacionamento, com muita felicidade, sem nenhum exagero nessa expressão. É comum que pessoas que convivam conosco perguntem qual é o segredo para vivermos esse amor feliz. Sinceramente, não sei se existe um segredo ou uma receita porque cada pessoa é uma história, com suas expectativas, medos e sonhos. Não é fácil, mas é possível.

Reflito sobre tantos casos de relacionamentos que tenho ouvido ao longo de meus anos de pesquisadora. Pensei sobre o meu e o que ajuda a obter essa tão desejada felicidade. O que fica claro é que viver uma relação amorosa feliz é uma conquista obtida dia a dia. Não há competição porque não há – ou não deveria haver – perdedor. E nisto penso que a relação-amorosa-feliz, se aproxima do novo poder, o poder isonômico.

A conquista de uma relação-amorosa-feliz, pela minha experiência pessoal e que meus estudos me mostraram até agora está baseada justamente nisso: na isonomia, nos direitos iguais mesmo entre seres bastante diferentes.

Listo alguns pontos aos quais credito a minha relação-amorosa-feliz. O primeiro é o desejo profundo que a relação dê certo e isso ser maior do que nosso ego. A auto-importância torna-se menor. Sei que isso é contrário ao que temos lido por aí. Nas últimas décadas a crença de ame-se primeiro tem tomado conta de todo discurso de auto-ajuda. Ele é verdadeiro, porém, no caso de um relacionamento amoroso, o ceder, o deixar o ego de lado em prol do que é justo e correto para a relação, considero fundamental.

O segundo ponto na minha relação: não há vítimas. Ninguém se sacrifica. Amor a dois não implica em sacrifício, mas em dar e receber, ceder sob a ótica que consideramos justo. São trocas. Aliás, há muitos anos uma mestre querida me explicou isso: o amor não necessita de troca mas de doação. O relacionamento sim precisa de troca.

O terceiro ponto é que só estamos juntos porque essa relação nos faz feliz. Somos independentes, em todos os sentidos, menos na felicidade. O foco, portanto, é a felicidade, não meu marido, nem nossa relação. Mas para obter a minha felicidade preciso da relação amorosa com meu marido.

O quarto ponto tem a ver com o cuidado e o autoconhecimento. Para cuidar adequadamente precisamos nos conhecer e conhecer ao outro. Entendendo aqui que o autoconhecimento é parte da evolução.  Evoluir e se conhecer significa, para mim, ter maior capacidade de optar consciente o que traz tranquilidade, paz e felicidade. E isso aumenta nossa capacidade de amar.

Leia o texto na íntegra aqui.

Boa semana a todos.

Nany Bilate
Pesquisadora, pensadora e fundadora da Behavior, centro de estudos sobre valores e crenças sociais.
www.behavior.com.br/blog

Minha neurose de estimação

Todos temos manias e coisas das quais cismamos: muitas vezes as cismas são estruturantes. Preciso fazer tal coisa de uma determinada forma, pois assim dá certo!

Superstição ou neurose?

Nascemos neuróticos? Acho que não, mas ao longo da vida colecionamos experiências que assim nos tornam.

Difícil mudar a compreensão dos fatos, se até agora vivi assim, e aqui estou! Certo?

Hoje, pela manhã, li no Facebook um artigo sobre a “pausa” de toda a mãe. Fala da dedicação e desvelo em cuidar das crias. Concordo em gênero, número e grau.

O problema, é que a dedicação leva ao sentimento de propriedade, natural. Afinal, carregamos as crias por 9 meses e por ao menos 20 anos após o nascimento.

Os filhos crescem, ficam independentes (?) e isso obriga a nos ver um pouco sem utilidade. Este pedaço torna-se difícil, pois sem nos darmos conta, estamos com mais tempo disponível (tempo mental), por reconhecer que fizemos um trabalho bem feito e os filhos já podem escolher seus caminhos.

Mesmo sem que concordemos muito, vão nos deixando, caminhando e construindo suas próprias vidas.

É ai que mora o perigo, pois sem perceber, nos tornamos vítimas da própria armadilha! Vitimas??? Será?

Chantagem, cobrança… Nada disso, mas como somos seres neuróticos por excelência, acaba acontecendo! O que fazer com este sentimento, ou melhor, constatação que já não somos o centro da vida dos filhos? São eles ingratos ou é assim que tem que ser?

Muitas vezes revejo minha trajetória, como filha e como mãe. Tento assim compreender e pensar como posso “permitir” que isso aconteça (a liberdade de ambos: mãe e filho) e cada um seguir a vida da melhor forma possível, sem pesos ou cobranças. Sem culpas ou dívidas.

Neuroses, todos têm e esta é das mais evidentes. Somos a única especie do planeta que leva tanto tempo para separar-se da cria. E a cria separar-se de nós.

Mas o amor que tenho pelas minhas crias é tanto, que devo cada dia mais aprender, e confiar que fiz um bom trabalho. E ver de longe, o caminho de cada um deles.

E viver com uma das minhas neuras de estimação!

Miriam Halpern
psicóloga e psicanalista
mhalperng@gmail.com

Viva o amor romântico!

Ah, o amor romântico! Reinicio meus textos após um período de descanso homenageando esse tipo de amor na semana que celebramos o Dia dos Namorados. Podemos querer ser independentes, podemos querer ser livres e autônomas; podemos ter o sonho utópico da escolha ilimitada sobre nossas vidas ou acreditar piamente no destino previamente traçado, mas seja negando, seja aceitando, seja racionalizando, ou mesmo seja buscando-o loucamente, o Amor Romântico nos persegue como um fiel cachorro desde que foi criado com o Romantismo, movimento artístico, político e filosófico, no final do século XVIII, início do XIX.

Desde então, amar e ser amada com certa dose de sofrimento que será compensado pela vivência do amor sem limites e duradouro além de nossas vidas terrenas, vem nutrindo nosso imaginário de vida; gerando em nós o aspiracional que provavelmente nos levará à frustração. Que o abençoado Santo Antônio o diga! Virado para baixo, virado para cima, dentro de um copo de água, de castigo ou no altar em agradecimento; esse santo casamenteiro continua sendo chamado para atender as almas solitárias que tanto buscam o aconchego da relação a dois.

E não é que amar romanticamente, é bom mesmo? Estar apaixonada faz o dia ficar mais leve e bonito, sim. Rimos com facilidade, nossas emoções ficam mais evidentes, nossa sensibilidade aumenta e o senso de ridículo diminui, inevitavelmente. Aquilo que até ontem nos parecia cafona e piegas começa a fazer sentido. Estar ao lado da pessoa, parece a coisa mais importante a se fazer na vida. Podemos tentar ser racionais, profissionais e manter a postura de certo distanciamento para os outros; colocar aquela cara de intelectual que pouco se abala, mas, para que mentir para nós mesmos se o que desejamos, no fundo, é correr para estar ao lado do nosso amor?

Dizem que a rotina mata o amor romântico. Dizem que o amor romântico eterno só existe porque um dos dois morre cedo… seja qual for a razão, o amor romântico parece ser fadado ao fracasso engolido pelo lado prático da vida. Será que o amor romântico não poderia ser equilibrado com um pouco de praticidade? Será que a vida com a sua correria e suas obrigações que exige de nós escolhas, esforço, raciocínio lógico e boa dose de praticidade não pode ser combinado com o amor romântico? Pois eu penso que sim. A vida cotidiana precisa de poesia. A vida precisa de leveza, de sonho, de fantasia. A vida precisa de atos ridículos, de risos nervosos, de gestos inofensivamente impensados. A vida precisa de vida. E a vida é tudo isso, responsabilidade e loucura, bobagem e seriedade, doçura e firmeza. O ponto é a dose com que temperamos cada um desses aspectos. Sem essa mistura, a vida fica seca, dura, árida. Insuportável. Feliz tempo do amor romântico para todos nós.

Nany Bilate
Pesquisadora, pensadora e fundadora da Behavior, centro de estudos sobre valores e crenças sociais.
www.behavior.com.br/blog

A amante

Na Vogue de março há uma matéria sobre Anne Pingeot, amante por mais de 30 anos de François Mitterand, ex-presidente da França e um dos políticos mais influentes do século XX. A história deles é extraordinária no sentido literal da palavra: não tem nada de ordinária. Danielle, a mulher de Mitterand, e seus filhos conheciam Anne. Mais: Anne e a filha viviam num anexo do Palácio do Eliseu, palácio oficial da presidência da França. Ou seja, próximas da família “oficial”. O que faz uma mulher virar amante, daquelas fixas? No caso de Anne por mais de 30 anos? Dinheiro, a maioria dirá. Talvez. Não muito diferente das mulheres que mantém casamentos há muito tempo acabados pelo mesmo motivo. Elas mantém esses casamentos em nome da família, alguns defenderão. Nem todas, vamos convir. Portanto, se isolarmos a questão do interesse financeiro que permeia de alguma forma e em diferentes graus boa parte das relações, qual mais poderia ser a razão para uma mulher sustentar uma relação amorosa com alguém que raramente estará com ela nos momentos considerados importantes? Vamos dificultar a reflexão imaginando nossa mulher-amante como alguém com educação formal e uma boa independência.

O amor! Dirão os mais românticos. Sim, pode ser um bom motivo. Ainda se acreditamos que o amor suporta tudo, apoiados na crença de que o amor impõe sacrifícios; embora penso que o amor – e a vida – impõem escolhas, que não chamo de sacrifício. O desejo de liberdade, será a resposta de outros. Também possível, se ama alguém, sempre o mesmo, numa relação que tem regularidade e estabilidade e ao mesmo tempo se é livre para ter uma vida independente.

Auto-estima baixa, pensarão outros, afinal a mulher se submete a viver à sombra, de não ser a oficial publicamente, com tudo que isso carrega de carga social. Podemos pensar nessa possibilidade se acreditarmos que ser oficial é mérito, se os papéis sociais são tão importantes assim na nossa vida. Sem-vergonha, esbravarão indignados a turma do politicamente correto. Ah! sim, vamos concordar que precisa ter pouca vergonha para assumir uma situação dessas.  Paixão, dirão os mais afoitos, penso que ela leva muitas mulheres a ficarem presas a uma relação por anos, porém, a paixão sobrevive a muitos anos? Tenho minhas dúvidas.

Quanto mais estudo o ser humano mais compreendo que são tantas nuances, tantas variáveis que toda leitura estereotipada no mínimo será leviana. Não pretendo aqui fazer uma apologia às amantes ou as não amantes. Minha reflexão esta semana recai sobre dois aspectos: o primeiro é a opção de viver uma relação ilícita por décadas. Uma relação fora do padrão, que caso não seja claro para a outra parte, no caso a mulher dita oficial – estará contribuindo com uma traição amorosa, com a quebra de lealdade e honestidade que tanto queremos nas relações. Mesmo que digamos não nos importar com o que as pessoas pensam, fomos criados nessa sociedade, somos filhas de seus valores e crenças e nos colocarmos contra o sistema, carregando o peso moral da dor que causa uma traição, sempre deixará marcas doloridas também em nós.

O segundo aspecto que trago para reflexão é sobre a complexidade que permeia as relações humanas o que torna difícil analisar e julgar. Qualquer julgamento sem profundidade estará embasado em estereótipos, em preconceitos que nos isola e nos separa. Podemos, como sempre, não querer para nós um estilo de vida, que as escolhas dos outros nos atinja diretamente – indiretamente, é inevitável – mas compreender que cada um é movido por um sistema complexo que envolve sentimentos, valores, crenças e contexto, ajuda a se solidarizar com outro, apesar de não concordar. Ler a matéria sobre Anne Pingeot também me fez pensar na esposa que aceita uma situação dessas. Mitterand, segundo a revista, dormia todas noites com Anne e passava o final de semana com ela. Isso quer dizer que, no fundo, quem era a oficial? Porque uma esposa aceita essa condição? Como diria Shakespeare “há mais coisas entre o céu e a terra do que supõe nossa vã filosofia”.

A Sofia dentro de nós.

Em 1762 o filósofo suiço Jean-Jacques Rousseau escreveu Emílio, um obra sobre como devia ser a educação do homem – e da mulher – para obter uma sociedade virtuosa e perfeita. Rousseau dedica um capítulo à educação das mulheres: Sofia. Sofia trata de como educar a mulher ideal para Emílio. Nele podemos entender o que significava uma mulher perfeita para a época: submissa ao homem, com pouco ou mínimo acesso à educação formal, dedicada aos filhos e a família. Que deveria “aprender desde cedo a sofrer injustiças” e distrair seu marido através de artes como cantos e danças. Ainda, como as mulheres possuíam certa “indocilidade” era importante, segundo Rousseau, que “sejam submetidas desde cedo” a este modelo criado por ele para disciplinarem seu caráter.

Emilio é uma leitura obrigatória para entender a série de crenças sociais que constituem o que é ser mulher – e homem – e, por mais distante que pareça o ano de 1762, até hoje influenciam nossas escolhas e comportamentos. Com o passar dos séculos, os comportamentos se modificaram e podemos não ser submissas como eram nossas avós ou bisavós que calavam e temiam seus maridos; entretanto, mesmo com toda a independência que ganhamos, reflita comigo como muitas de nós estamos dispostas a perdoar os erros do companheiro com facilidade, independente da quantidade de vezes que esse erro se repete; o quanto temos o ímpeto de “atender” as vontades de nossos companheiros mesmo que isso signifique abrir mão da nossa; de tratá-los com certa complacência, como se não fossem capazes de suportar uma negação ou frustração.

Pense que talvez nessas atitudes e comportamentos cotidianos existam a semente da Sofia de Rousseau plantada dentro de nós. Nossa submissão não é de serva como antigamente, mas é demostrada, mesmo que com roupagem moderna, quando colocamos o homem, nosso homem, num espaço privilegiado e protegido. Algumas podem dizer que é natural à mulher esse tipo de atitude, que é o lado maternal que brota, que a mulher é acolhedora e nisso radica sua feminilidade… crenças que recebemos desde que nascemos e que ao internalizar e transformar em comportamento, transmitimos para nossos filhos.

Meu convite esta semana é refletir o quanto o ideal feminino que nos guia está associado à mulher que nasceu para atender, satisfazer e fazer feliz o homem que está ao seu lado. O quanto chamamos essa crença de amor. O quanto essas crenças nos afastam do sonho maior que permeia boa parte das mulheres que ouço: o de amar e ser amadas numa relação romântica-companheira. Nessa relação o companheirismo está representado pela equidade, direitos e deveres iguais. Numa relação em que alguém está sempre em destaque, pode haver carinho e amor mas não haverá, certamente, equidade.

Nany Bilate
www.behavior.com.br/blog